terça-feira, 22 de dezembro de 2015

Retrospectiva

Queria um pouquinho mais de ti. Queria um pouquinho mais de mim. Queria um pouco mais do mesmo. O tempo de espera é desperdício de ato, é desperdício de fato, é fatídico. O tempo que espera o tempo, que espera o beijo, que espera o pouco. Um pouquinho de espera que espera o que não vem.

Queria a urgência do amor bandido do Cazuza na voz da Cássia Eller. Queria reter o tempo perdido de Renato. Conter o tempo, traçar a tempo a linha que divide o ontem e o agora. O retrospecto que não salva o ponto exato na linha do tempo, que não lembra que a memória deleta sem possibilidade de recuperação.

Queria recordar apenas em linhas felizes, linhas reta, relevantes. Linhas livres de haveres, de espera parada, de inércia mofada. Queria estabelecer o ponto de corte. Cortar o filme, o capítulo, e começar o futuro do ponto exato do beijo que se perdeu no asfalto. Quebrar o tempo velho e renovar o pouco que sobrou.

Quem sabe, assim, reinventando o novo como se fosse outro passado, reciclando o fato, o ato, o tédio... quem sabe, assim, o agora se faça pra sempre, se faça a presença que o nunca sempre foi. Quem sabe, uma boca inesperada faça um novo beijo. Um outro beijo, original, inesperadamente presente.

Nenhum comentário: